terça-feira, 13 de setembro de 2016

ROBOCOP: Paul Verhoeven critica longa de José Padilha por ser sério demais

Pois é, Cinemaster!!! E eu pensando na época, Padilha tinha o longa certo nas mãos para mostrar ao mundo que ele sabe fazer blockbuster, aí veio a Sony e... você sabe o resto da história. Então, no geral, confesso que não concordo tanto com Paul, até porque eu esperava pelo RoboCop de Padilha muito mais violento (e isso seria algo completamente positivo, afinal, essa é a psicologia do personagem), mas o que o estúdio fez foi tentar amenizar tudo isso ao máximo. E em conversa com a imprensa americana a respeito de seu elogiado drama Elle, Paul disse que o remake foi sério demais para um personagem como ele. "Tudo estava sério demais. Penso que é um erro. Especialmente como o Robocop acorda. Deram-lhe o mesmo cérebro. Ele foi vítima de um terrível acidente e precisou amputar vários membros, o que é horrível e trágico desde o primeiro momento. Por isso, não façam isso com Robocop. Seu cérebro está desaparecido e ele tem apenas lampejos de memórias, é por isso que ele precisa ir a um computador para descobrir quem ele mesmo é. Eu acho que por não ter um cérebro de robô, você faz um produção muito mais pesada e eu não acho que isso ajude o longa de alguma maneira. Torna-se mais tolo e absurdo. São necessários ter a sátira e a comédia para o público. Jogá-los em linha reta, sem qualquer humor, é um problema e não uma melhoria."

ROBOCOP: José Padilha diz que remake foi "estressante" e fala de convites para longas de super-heróis


Por: Diego Domingos
Publicado em: 13/09/16

 

Jack