quarta-feira, 21 de setembro de 2016

SCARFACE: Antoine Fuqua explica como que remake se adéqua a atual política dos EUA

Sim, sim, Cinemaster... inclusive, a trama do remake vai ser a seguinte, um imigrante mexicano que vai atrás do Sonho Americano, mas que ao perceber que tudo não é nada prático, ele adentra para o mundo do crime organizado e do tráfico de drogas. A ideia é apresentar a sua ascensão e queda. "Eu li o roteiro que eles têm e é realmente muito interessante e oportuno. Estamos lidando com um monte de coisas agora por conta do México. E, novamente, ainda temos essas questões que tratam do Sonho Americano, e o fato é que o jogo é manipulado, certo? Não é realmente um campo aberto, mas a promessa é de que tudo funciona corretamente. A promessa é que todo mundo recebe uma oportunidade aqui. Então, isso sempre é relevante, e agora com o que está acontecendo no México, que é de onde o protagonista sai, é algo muito relevante, especialmente quando você tem pessoas falando sobre a colocação de muros e outros tipos de material para separar o país. Nós estamos lidando com a imigração, ainda estamos lidando com o que iria transformar alguém em Scarface." A versão de Brian De Palma e Al Pacino já é em si uma segunda versão do romance escrito por Armitage Trail. Isso porque houve a produção de 1932, com direção de Howard Hawks e protagonização de Paul Muni. =D A título de curiosidade, o longa apresenta um refugiado cubano Tony Montana (Al Pacino) que chega em 1980 em Miami com nada, e se torna um poderoso chefão de drogas.

P.S. O roteiro final foi desenvolvido por Jonathan Herman, indicado ao Oscar pelo sensacional trabalho nos textos de Straight Outta Compton. Eu particularmente não vejo Fuqua como O diretor do momento para um longa nesse estilo, mas é aquilo, é esperar pra saber o que vem por aí, porque ao menos o roteiro aparenta vir com a máxima qualidade. =D

Por: Diego Domingo
Publicado em: 21/09/16

 

Jack